Evangelho do dia 17/07/2017
INÁCIO DE AZEVEDO.

Mt 10,34-11,1. Não vim trazer a paz de cemitério, mais sim à paz inquieta e desafiadora. Enfrentando as dificuldades os discípulos podem ficar assustados e com medo, mais ele veio trazer a espada da luta pelo Reino de Deus. A briga é para que todos tenham vida e isso está acima dos laços familiares, de amizades e compromissos de todo o tipo.

O Reino é a fonte da vida, lutar por ele é lutar pela vida. Este sermão missionário de Jesus se concretiza na vida dos jovens que partiram de Portugal para serem missionários no Brasil. Estes foram todos sacrificados por causa da fé, mesmo antes de pisarem em terras brasileiras.

Inácio de Azevedo já tinha visitado o Brasil e a missão aqui realizada. Encantou-se e queria levar adiante o Reino de Deus nestas terras. Voltando a Portugal fez propaganda e recrutou um grande número de irmãos seus jesuítas e alguns leigos, todos voluntários para a missão.

A alegria tomou o coração de todos ao partirem para a missão, só que a embarcação de Inácio se distanciou das demais e foi interceptada pelo calvinista Frances Jaceques Sourie que poupou os leigos e degolou os religiosos jesuítas jogando seus corpos no mar. Estes religiosos tinham entre vinte e trinta anos de idade: 1 sacerdote, 1 diácono, 14 irmãos e 23 estudantes.

Deus os recompensou com a vida eterna e o sangue derramado serviu para regar a missão nesta terra de Santa Cruz.