Evangelho do dia 16/07/2017
Quem ouve a Palavra e a entende,
é como a semente que cai em terra boa e dá frutos.

Quem ouve a Palavra e a entende, é como a semente que cai em terra boa e dá frutos. A Palavra de Deus é viva e eficaz. Domingo passado Jesus dizia que aqueles que se acham sábio não conseguem entender o reino de Deus, pois não querem ver o que está claro preferem a cegueira e por isso Ele se revela pelos pequenos e simples. O poder e o dinheiro muitas vezes são esse empecilho. Nem por isso Deus desiste, é eficaz na sua Palavra.

Is 55,10-11: A Palavra de Deus e eficaz e fecundante como a chuva. A fé do povo estava abalada, pois parecia que Deus os tinha esquecido no exílio, os abandonara. As mágicas das receitas oferecidas não estavam dando resultados. O profeta então tenta animar o povo dizendo que Deus jamais esquece as suas criaturas. O profeta tem essa certeza de que a Palavra não é neutra mais eficaz. No deserto quando caia as primeiras chuvas já brotava as ervas e flores em abundancia. Este é o motivo pelo qual a comparação da palavra com a chuva é entendida por todos. É impossível não perceber esse fenômeno, assim é a Palavra.

Rm 8,18-23: A semente do mundo novo espera por nascer. É o mundo novo que o Evangelho vai trazer. Este mundo nasce quando a pessoa passa da teoria e se deixa transformar pelo amor gratuito de Deus. A recusa da Palavra deixa o mundo debaixo do pecado, ou seja, sobre o poder do ódio, da intolerância, da exploração de pessoas e da natureza. O mundo acaba enfermo e quase impossível de nele viver. Este é o motivo que Paulo diz que toda a criação espera essa transformação.

Mt 13,1-23: Jesus oferece a sua palavra ao mundo, ou seja, a semente é semeada no coração de todas as pessoas. Cada um aceita ou não, pois é proposta e como tal depende da forma com que é acolhida, tipos de terrenos encontrados. Aqueles que a acolhem sentem um estilo de vida totalmente diferente. Não acolher é querer permanecer na sua mentira fechando os olhos e os ouvidos para Deus.

Aqui estamos falando de pessoas que se dizem religiosas e boas mais que oferecem um terreno ruim para a voz do Pai e seguem outros caminhos. Não se trata de ateísmo, de não conhecer Deus, mais sim de uma fé superficial que não produz frutos. Quem a recebe produz frutos, pois ela é como uma semente que tem uma força irreversível para frutificar. É bem-aventurado, feliz quem se abre para a Palavra e por isso tem os olhos e os ouvidos bem abertos. Precisamos sim querer ver e ouvir o momento atual que vivemos e assim podemos discernir a vontade de Deus. Estes frutos produzidos por estes é o remédio para curar todas as enfermidades que padecemos.

No mundo em que vivemos há certa desconfiança da eficácia da Palavra, isso se deve pelo fato dessa mesma palavra ser interpretada de forma errada e não conforme a vontade de Deus. Isso leva muitas pessoas procurarem soluções mágicas e instantâneas prometidas por muitos pregadores enquanto a proposta de Deus é que a Palavra se encarne na vida das pessoas, ou seja, no seu agir cotidiano. O evangelho acaba parecendo loucura para aqueles que baseiam a sua vida em valores contrários aos valores do Evangelho. O egoísmo quer dominar o mundo e aí aparecem aqueles que amam e por isso entendem a cruz. Não se pode servir a Deus e o dinheiro.